Mulheres Qom se organizam para preservar seu território no Chaco paraguaio


Resumo de uma longa história: O Green Climate Fund (GCF) está investindo em novas plantações de árvores em sete países-alvo na América Latina e na África Subsaariana, inclusive no Paraguai, onde diferentes agentes – do agronegócio a ONGs – já vêm impondo monoculturas de eucalipto em terras indígenas, o que tem causado escassez de água, perda de biodiversidade e degradação do solo. É imperativo que o GCF aprenda com essas experiências e direcione seus recursos para uma verdadeira solução climática justa em relação a gênero que consiste em preservar a soberania territorial das mulheres indígenas e suas comunidades.

A realidade agora: investimento em monocultura de árvores

O Chaco paraguaio é um território plano e árido, com verões longos e quentes. Oscila entre ciclos de seca e enchentes, causados pela crise climática, que afetam o acesso à água. As comunidades indígenas e rurais da região há muito tentam proteger suas terras contra a rápida invasão de projetos extrativistas que têm causado altas taxas de desmatamento e destruição ambiental. A tal ponto que, junto com a região do Cerrado, no Brasil, o Chaco paraguaio é hoje a região da América Latina com a maior área de terra reutilizada para a criação de gado.

No caso da comunidade indígena Toba Qom de Santa Rosa, o conflito envolve um modelo de “desenvolvimento sustentável” que lhes está sendo imposto pela ONG “Fundación Paraguaya”. A ONG está promovendo o plantio da monocultura industrial de eucalipto no território de Qom como parte de um programa para eliminar a pobreza. A comunidade Qom tem um título de propriedade coletiva de 1.117 hectares, dos quais a Fundación Paraguaya planeja usar 20 hectares para monocultura, sem realizar a consulta prévia de toda a comunidade ou o consentimento livre e informado, conforme exigido pela regulamentação atual.

Para serem lucrativas, as plantações exigem grandes extensões de terra, deslocando as comunidades de suas terras e meios de subsistência tradicionais. A destruição de árvores e plantas, que servem como fonte de alimento e trabalho, afeta o bem-estar, a cultura, a soberania e a autonomia da comunidade, principalmente das mulheres que são as principais produtoras de alimentos e de artesanato.

“Nós nos opomos à plantação de eucalipto porque no Chaco não temos muita água”, disse Bernarda Pesoa, líder Qom e chefe da Organización de Mujeres Artesanas de Santa Rosa (Organização das Mulheres Artesãs de Santa Rosa), um grupo dedicado à defesa da vida, dos direitos coletivos e dos direitos socioambientais. “Temos nossos poços, nossas árvores frutíferas, e os eucaliptos vão prejudicar muito o meio ambiente Não vamos nos alimentar de eucalipto, é só mais um negócio que beneficiará apenas 40 famílias, não toda a comunidade. Nós nos opomos a isso porque somos defensoras do meio ambiente”.

No Paraguai, o governo muitas vezes promove o reflorestamento com espécies não nativas e muitas vezes nocivas, como o eucalipto, em nome do desenvolvimento econômico e rural e o apresenta como uma “conquista” ambiental. O GCF, mecanismo de financiamento da Convenção das Nações Unidas acerca da Mudança do Clima, também  destinou aproximadamente USD$ 102 milhões para quatro projetos no Paraguai até o momento,  incluindo um com a Arbaro Fund , empresa de investimentos de capital privado com sede na Alemanha. O GCF   apoia planos de investimento em  75,000 hectares de novas plantações de árvores  dessa empresa em sete países-alvo na América Latina e na África Subsaariana que supostamente capturariam 20 milhões de toneladas de carbono.

Na realidade, as plantações retêm, em média, pouco mais carbono do que a terra desmatada para plantá-las. As árvores de eucalipto são derrubadas regularmente, na maioria dos casos a cada 10 a 20 anos. Esse ciclo repetitivo de desmatamento, plantio e derrubada, e a liberação de carbono que o acompanha,compromete os benefícios aparentes dessas iniciativas de reflorestamento. Por outro lado,  florestas naturais capturam 40 vezes mais carbono  do que as plantações industriais de árvores e continuam a fazê-lo enquanto permanecerem intocadas. Isso evidencia o quão ineficazes os investimentos em monoculturas são, comparados aos ecossistemas naturais, além de ser uma solução que viola a soberania dos povos indígenas.

As monoculturas envolvem o uso indiscriminado de fertilizantes e agroquímicos que poluem a água e os solos. Uma árvore média de eucalipto consome 85 litros de água por dia, de acordo com o World Agroforestry Center, um instituto internacional especializado em agrofloresta. Em uma área de escassez permanente de água, a monocultura dessa árvore agravaria uma situação já crítica. Nas comunidades próximas a Santa Rosa, essas plantações já estão causando seca e esgotamento das reservas hídricas, além da degradação do solo e da perda de biodiversidade.

O melhor investimento: garantir a soberania territorial indígena

A Organización de Mujeres Artesanas de Santa Rosa, da comunidade de Qom apresentou queixas às autoridades ambientais e realizou manifestações para chamar a atenção a respeito da sua situação. Como resultado, elas passaram a receber ameaças e também sofreram violência física. Para as mulheres Qom, preservar a soberania territorial significa garantir o direito à propriedade da terra e ao acesso aos recursos; o direito de preservar a identidade, a cultura e o conhecimento; o direito de participar dos processos decisórios; e o direito à autogestão. A identidade Qom está muito atrelada à sua relação com seus territórios e, sem soberania, os Qom não podem continuar suas práticas vitais, que contribuem consistentemente para a mitigação das mudanças climáticas.

O investimento em plantações de monoculturas de árvores retira recursos que poderiam ser usados para preservar os ecossistemas e restaurar o ciclo natural da água por meio do fortalecimento das mulheres indígenas e dos direitos das comunidades. Pelo menos 22% do total de carbono armazenado em florestas tropicais e subtropicais está em terras trabalhadas coletivamente, um terço do qual é encontrado em áreas habitadas por povos indígenas e comunidades, sem o reconhecimento legal desse fato.

Numerosos estudos mostram que não interferir nas florestas para que se regenerem naturalmente oferece benefícios de captura de carbono 97% maiores do que os projetos de plantios comerciais.

“Evitar o desmatamento” é uma das possíveis abordagens de mitigação de menor custo, embora hoje soluções baseadas no reconhecimento dos direitos fundiários comunitários e na expansão do manejo indígena de florestas degradadas não parecem ser uma prioridade. As soluções climáticas justas na perspectiva de gênero contribuem para a autonomia de mulheres e meninas, para a soberania alimentar, o acesso a recursos naturais e à saúde, ao mesmo tempo em que reconhecem e incorporam o conhecimento local e ancestral. A solução climática justa na perspectiva de gênero, para garantir a soberania territorial indígena, é uma das estratégias mais rentáveis, sustentáveis e igualitárias de proteger e restaurar as funções vitais do ecossistema, conservar a biodiversidade e reduzir as taxas de perda e degradação florestal causadas pelo agronegócio. Como resultado, tanto o ecossistema natural quanto a comunidade se tornam mais resilientes e têm maior capacidade de se adaptar e responder aos choques climáticos.

Quem está liderando essa solução climática justa na perspectiva de gênero?  

A Organización de Mujeres Artesanas de Santa Rosa se dedica à defesa dos direitos culturais e socioambientais coletivos. Elas são apoiadas pelo Fondo Mujeres del Sur, que faz parte da rede Global Alliance for Green and Gender Action (GAGGA). Siga a Organization of Peasant and Indigenous Women Conamuri (Organização de Mulheres Camponesas e Indígenas Conamuri) que trabalham com mulheres rurais de 12 departamentos do Paraguai, incluindo a comunidade Qom de Santa Rosa. Mais informações nos links abaixo:


Related Post

Relatório | Violência estrutural: o que aprendemos com mulheres e meninas defensoras do meio ambiente

Em função dos seus esforços na defesa de suas terras, territórios e recursos naturais, as mulheres e meninas defensoras do…

See more

NGO CSW66 Forum event recording | Structural violence: Learning from women and girl environmental defenders

In their efforts to defend their land, territories and natural resources, women and girl environmental defenders* (WGEDs) around the world…

See more

NGO CSW66 Forum event recording | #WeWomenAreWater campaign

On World Water Day 2022, the Global Alliance for Green and Gender Action (GAGGA) hosted an NGO CSW Forum event…

See more

Subscribe to our newsletter

Sign up and keep up to date with our network's collective fight for a gender and environmentally just world.