Queremos restaurar os pulmões da terra, colocando as mulheres no comando da restauração ecológica


Nós, as trabalhadoras rurais feministas (campesinas feministas), queremos restaurar os pulmões da terra.

A pandemia da COVID-19 está nos mostrando a fragilidade de nossos sistemas alimentares e agrícolas, e quantas fazendas se tornaram monoculturas industriais de óleo de palma e cana-de-açúcar, ou têm seu foco na produção de safras comerciais como as de café e de cacau. Essa forma de cultivo degradou o solo e destruiu a mata nativa. Como resultado, as comunidades locais, historicamente autossuficientes, não estão mais conseguindo se alimentar e sofrem com a escassez de suprimentos. Muitas comunidades locais, mulheres e grupos de base estão enfrentando desafios que nos levam a repensar as questões de resiliência, segurança alimentar e água.

Agora é a hora de repensar nossos sistemas com uma abordagem holística e começar a articular políticas públicas e práticas que levem à estabilidade ecológica do planeta, cultivando uma rica biodiversidade em nossas florestas e lavouras e, assim promovendo saúde por meio de nossa alimentação.

A Silvicultura Analógica é uma dessas abordagens. Consiste numa forma de restaurar os sistemas ecológicos imitando as florestas naturais, mas enriquecidas com espécies úteis, como árvores frutíferas e nozes, café, chá, cacau, abacate e plantas medicinais. Essa estratégia promove  o equilíbrio hídrico, além de gerar renda para a comunidade local, e  contribuir para  ecossistemas saudáveis e resilientes, que tenham uma resistência natural a pragas, a secas e outras ameaças relacionadas às mudanças climáticas. Essas florestas, assim que são recuperadas e restauradas, atuam como purificadores do ar e grandes sumidouros de carbono.

A Silvicultura Analógica também é uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de gênero: faz parte da luta feminista. No sistema de produção agrária convencional no contexto da Nicarágua, as mulheres não são mais do que força de trabalho, um objeto a ser usado. A Silvicultura Analógica, para nós, é também uma oportunidade de nos envolvermos na produção de alimentos saudáveis e de retomarmos o controle da nossa própria alimentação e saúde, assim contribuindo para nossa autonomia.

Mas a questão não é apenas técnica. A Silvicultura Analógica – quando aplicada segundo uma perspectiva feminista – pode fazer parte da contínua luta feminista pelos direitos à terra e pelo bem comum. A terra é um bem comum que nos dá o poder  de que precisamos para viver com dignidade. Por isso, precisamos lutar pelos títulos de propriedade, pelo acesso a e controle sobre a terra.

O fato de que agora administro terras dá a impressão de que um sistema secular de desigualdade foi quebrado. Agora posso cultivar minha própria comida. Não nos moldes coloniais, onde eu exploro e esgoto o solo, mas de uma forma ecológico-espiritual. Posso restaurar a conexão histórica que nós, indígenas, temos com a terra; a saúde dela é também a minha. Na verdade, estamos nos rebelando contra um sistema materialista de exploração, e, ao mesmo tempo, construindo para nós mesmas um sistema baseado no respeito e na harmonia.

Dois anos após o treinamento em Silvicultura Analógica, já posso colher café, banana, maracujá, girassóis, especiarias e vegetais diversos, e no ano que vem terei abacate também. Quero ser um exemplo para outras mulheres e outras famílias, mostrar a elas que uma produção mais sustentável é possível. Quero usar minha floresta como um local de demonstração, um lugar para aprender e trocar experiências. Quero motivar outras mulheres, compartilhar meus conhecimentos, promover a segurança e soberania alimentar, o uso de plantas medicinais e restaurar as fontes de água. Espero que outras famílias em minhas comunidades se juntem a mim e iniciem sua própria Silvicultura Analógica.

Frequentemente, é negado às mulheres o direito à soberania alimentar, à água e a condições de vida em um ambiente limpo e seguro. Ao colocá-las no comando da restauração ecológica, esses direitos são reconhecidos. As mulheres dão vida, da mesma forma que  a Mãe Terra. Se a terra é saudável, então também somos espiritual, física e mentalmente saudáveis. Ela nos capacita para que nos tornemos, em nossos próprios pedaços de terra, árvores fortes como as que você vê do ar.

 

Luz Marina Valle é agricultora feminista, formada em Engenharia em Gestão Agrícola e Cooperativa. Ela é integrante da Fundação Entre Mulheres (Fundacion Entre Mujeres – FEM) e promotora local de Silvicultura Analógica em sua comunidade de El Jocote, no norte da Nicarágua. Você pode saber mais sobre a Rede de Silvicultura Analógica Internacional aqui.

Ouvir diretamente relatos de outros promotores/as de Silvicultura Analógica do Equador, Ana María AndradeEnma Revilla.


Related Post

October 2021 | Now is the time for urgent climate action

With extreme weather events impacting every region of the world in recent months and stark warnings from the latest IPCC report,…

See more

दक्षिणी विश्वका नारीवादीहरुका तर्फबाट कोप निर्णयकर्ताहरूका लागि : जलवायु न्यायका लागि आमूल परिवर्तन

“जलवायु न्यायको अर्थ… – अस्थिर उत्पादन, उपभोग र व्यापार सहितका जलवायु संकटका कारक तत्वलाई सम्बोधन गर्दै – समानता र मानव…

See more

Report | Intrinsically linked: gender equality, climate and biodiversity

The worldwide climate crisis, loss of biodiversity and continuing gender inequality are intrinsically linked. Solving the climate and biodiversity crises…

See more

Subscribe to our newsletter

Sign up and keep up to date with our network's collective fight for a gender and environmentally just world.