Mulheres Dumagat usam produtos florestais não madeireiros para mitigação e adaptação às mudanças climáticas


Resumo de uma longa história: os governos da China e das Filipinas estão construindo uma barragem “resiliente ao clima”, que provocará o deslocamento da comunidade indígena Dumagat-Remontado, afetará seu modo de vida, e ao mesmo tempo que emitirá quantidades consideráveis de gases de efeito estufa. As instituições que investem em barragens fariam melhor se transferissem seus recursos para a verdadeira solução climática implementada pelas mulheres Dumagat e suas comunidades: gestão comunitária de produtos florestais não madeireiros.

A realidade agora: investimento em energia hidrelétrica

O grupo indígena Dumagat-Remontado tem reivindicado o direito ancestral a uma das maiores áreas remanescentes de floresta tropical das Filipinas. É nessa área da cordilheira da Sierra Madre que o governo nacional planeja construir uma barragem “resiliente ao clima”, para fornecer água para a região Metropolitana de Manila e áreas urbanas próximas. A Barragem de Kaliwa faz parte da Nova Fonte de Água Centenária (New Centennial Water Source, NCWS, na sigla em inglês), um projeto que o presidente Rodrigo Duterte garantiu com um empréstimo de US$ 235,9 milhões do Export-Import Bank da China pelo acordo firmado com o Programa “Build, Build, Build” (Construir, Construir, Construir) e a “Belt and Road Initiative” (Iniciativa Cinturão e Rota) da China. O projeto foi criado a partir de amplos estudos realizados pelo World Bank (Banco Mundial) e pela Japan International Cooperation Agency (Agência de Cooperação Internacional do Japão).

As Filipinas estão permanentemente no alto da lista dos países mais afetados pelas mudanças climáticas, e o consequente aumento da frequência e da duração da escassez de água no país, incluindo a região Metropolitana de Manila. O projeto da Barragem do Kaliwa é a resposta de Duterte para essa insegurança hídrica, mas o povo Dumagat, incluindo a maior federação de mulheres indígenas da região, denominada Samahan ng mga Kababaihang Dumagat ng Sierra Madre (K-Gat), está exigindo do governo soluções que não violem seus direitos.

A construção da Barragem do Kaliwa vai deslocar 300 pessoas Dumagat-Remontado, inundar 113 hectares de florestas que são fonte de subsistência e onde as comunidades obtêm água potável, alimentos e medicamentos. As avaliações desse impacto conduzidas tanto pelo departamento do meio ambiente das Filipinas, quanto por grupos independentes mostram que, além disso, 12 locais sagrados serão inundados, colocando em risco a vida selvagem e as plantas nativas, forçando a migração massiva de espécies, e colocando em risco não apenas as comunidades indígenas de terras altas, mas também as comunidades agrícolas e pesqueiras das terras baixas com histórico de inundações repentinas.

A construção da barragem comprometerá o fluxo natural do rio e, portanto, afetará a capacidade do rio de captar carbono. Enquanto grandes reservatórios de barragens são apontados como uma solução climática, por reduzirem a dependência de combustíveis fósseis e aliviarem a escassez de água, eles são, na verdade, uma fonte globalmente significativa de gás metano do efeito estufa. Segundo pesquisadores que realizaram um estudo em mais de 250 barragens, a vegetação em decomposição, como árvores e gramíneas, submersas em reservatórios de barragens, emite cerca de um bilhão de toneladas de gases de efeito estufa a cada ano.

O melhor investimento: gestão comunitária de produtos florestais não madeireiros

As mulheres da comunidade Dumagat estão ativamente envolvidas, de forma sustentável, no plantio, colheita, processamento e comercialização de produtos florestais não madeireiros (NTFPs, na sigla em inglês), como mel, rattan (uma espécie de palmeira conhecida como Calamos Rotang), alimentos silvestres e resina da árvore Almaciga (Protium heptaphyllum), ameaçada de extinção. O projeto da Barragem do Kaliwa vai destruir esses produtos, afetando meios essenciais de subsistência, alimento, combustível, remédios e geração de renda dessa comunidade, além de comprometer a transmissão do seu conhecimento tradicional.

Quem está liderando essa solução climática justa em relação a gênero?

Em 2019, mulheres líderes de três territórios ancestrais Dumagat no sul de Sierra Madre organizaram a maior federação de mulheres indígenas da região, com a assistência da Non-Timber Forest Products – Exchange Programme (NTFP-EP) Philippines (Produtos Não Madeireiros – Programa de Intercâmbio, NTFP-EP, na sigla em inglês, Filipinas), parceira da GAGGA. A K-Gat atua na defesa dos povos indígenas e dos direitos das mulheres, na proteção de seu território ancestral e meio ambiente, e no desenvolvimento de meios de subsistência para as mulheres indígenas. Juntamente com uma rede de organizações indígenas e da sociedade civil, se opõe à construção da Barragem do Kaliwa.

Para mais informações, acesse os links abaixo:


Related Post

Relatório | Violência estrutural: o que aprendemos com mulheres e meninas defensoras do meio ambiente

Em função dos seus esforços na defesa de suas terras, territórios e recursos naturais, as mulheres e meninas defensoras do…

See more

NGO CSW66 Forum event recording | Structural violence: Learning from women and girl environmental defenders

In their efforts to defend their land, territories and natural resources, women and girl environmental defenders* (WGEDs) around the world…

See more

NGO CSW66 Forum event recording | #WeWomenAreWater campaign

On World Water Day 2022, the Global Alliance for Green and Gender Action (GAGGA) hosted an NGO CSW Forum event…

See more

Subscribe to our newsletter

Sign up and keep up to date with our network's collective fight for a gender and environmentally just world.